Betsy e seus balões coloridos

Aventuras e histórinhas em São Paulo (e agora em Londres também!!)

Até logo, 14 leitores! julho 25, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Diversão,Gatos,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 7:57 pm

Depois de muito pensar e repensar, eis que decidi acabar com o Betsy!

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh…. rs

O blog nasceu em 2007 logo quando eu, Luciana e Flávia mudamos para a Vila Mariana, para um apê maior, bacana e que prometia festas intermináveis, churrascos à beira da piscina e conversas regadas a muito vinho e sofá verde. Foram bons anos. Todos retratados aqui no blog.

Vocês acompanharam as observações de Betsy a nossa vida desregrada, até que passei a ser a narradora das histórias. Dividi com vocês alegrias, tristezas, mudanças e conquistas.

A gata Betsy morreu há mais de 1 ano e confesso que com a morte dela eu me senti um pouco estranha em dar continuidade ao blog. Mas tentei.

Agora passo por reformulações intensas. E não sei bem o quê escrever mais. Na verdade, talvez surja outro blog, com outras histórias, outros personagens, outras vivências. Quem sabe….

Eu me despeço do Betsy e dos meus 14 leitores com um abraço bemmmmm apertado, uma certa tristezinha e a certeza de que coisas melhores e mais divertidas estão chegando.

Então, até logo!

 

Quase lá… julho 16, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 8:34 pm

Ai gente, andei sumida né?! Como boa canceriana, entrei numa deprê e voltei pra minha concha… Mas eu tô quase lá… Quase para uma revolução!

E apesar de me achar muito moderninha e rock n roll, a trilha sonora dos meus extremos sempre foi uma boa e velha MPB…

Gal… Lá vamos nós :)

Respeito muito minhas lágrimas
Mas ainda mais minha risada
Inscrevo, assim, minhas palavras
Na voz de uma mulher sagrada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona de divinas tetas
Derrama o leite bom na minha cara
E o leite mau na cara dos caretas

Segue a “movida Madrileña”
Também te mata Barcelona
Napoli, Pino, Pi, Paus, Punks
Picassos movem-se por Londres
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca de divinas tetas
La leche buena toda en mi garganta
La mala leche para los “puretas”

Quero que pinte um amor Bethânia
Stevie Wonder, andaluz
Mas o que tive em Tel Aviv
Perto do mar, longe da cruz
Mas em composição cubista
Meu mundo Thelonius Monk`s blues
Mas em composição cubista
Meu mundo Thelonius Monk`s…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona das divinas tetas
Teu bom só para o oco, minha falta
E o resto inunde as almas dos caretas

Sou tímido e espalhafatoso
Torre traçada por Gaudi
São Paulo é como o mundo todo
No mundo, um grande amor perdi
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas, estamos aí
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas estamos aí…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca das divinas tetas
Quero teu leite todo em minha alma
E o resto inunde a alma dos caretas

Mas eu também sei ser careta
De perto, ninguém é normal
Às vezes, segue em linha reta
A vida, que é “meu bem, meu mal”
No mais, as “ramblas” do planeta
“Orchta de chufa, si us plau”
No mais, as “ramblas” do planeta
“Orchta de chufa, si us…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Deusa de assombrosas tetas
Gotas de leite bom na minha cara
Chuva do mesmo bom sobre os caretas…

Eu sei… É do Caetano, mas eu AMO  a Gal com essa música!

E é sim… Um sinal: cansei…  ;)

 

 

Escondam os chocolates… junho 15, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 8:12 pm

A Priscila chegou!

Um dos  meus primeiros empregos foi numa loja de roupas em Perdizes, chamada Melle Modas. Eu trabalhei lá quando tinhas uns 16, 17 anos.  Eu achava que era muito bom. Mas quando fiquei mais velha, descobri que trabalhar dez horas por dia, sem horário de almoço, ganhando um salário mínimo para vender, lavar a calçada e o banheiro não era beeemmmm um bom negócio.

Eu lembro que a minha chefa comprava uns chocolates para as clientes. E eu comia, claro! Veja bem, eu era uma adolescente, que trabalhava o dia todo, fazia colegial à noite e não tinha horário de almoço! É claro que eu comia todos os chocolates dos clientes… E veja bem, eram chocolates da kopenhagen! Foi quando minha chefe, desapontada comigo, passou a esconder os chocolates, pois afinal, eram para AS CLIENTES e não para o staff = eu :D

Bom, eu sei que hoje, no meu trabalho atual, eu descobri que todos os chocolates para os clientes estavam dentro do lugar-secreto:  aquele que ninguém pode entrar, só os gerentes…

Veja bem, quase 20 anos depois, os meus chefes continuam escondendo os chocolates de mim!!!!!

Não sei se fiquei chocada, triste, desapontada ou achei isso tudo engraçado…

Enfim, pode passar 1 ano, 2, 10 ou 15 anos… Algumas coisas continuam as mesmas ;)

Escondam os chocolates… A Priscila chegou!

 

Tchon Tan junho 2, 2011

Filed under: Diversão,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 10:33 pm

Se jogar em outro país para aprender um novo idioma tem os seus momentos engraçados. Hoje, montando o calendário de MKT para a loja que eu trabalho, minha chefe vira pra mim e fala:

Ela – esse mês temos que organizar o FADAS DAY.

Eu – Fadas Day?

Ela –  Sim, o Fadas Day.

Eu – Fiquei pensando… Mas que diabos de Fadas Day é esse… Será que é tipo a nossa Festa Junina? Alguém importante na história, alguma celebração. Não aguentei e falei – Eu não conheço o Fadas Day…

Ela – Você sabe quando tem o Mothers Day? Então… O FADAS Day!

Eu – Ahhhhhhhhhhhhhhhh, o Fathers Day?

Ela – Yep.

Sotaque britânico… Ainda tem gente que acha chique rs.

Ainda hoje, li no livro de feedback dos clientes:

“Queria agradecer muito ao atendimento da Leoni e do Tchon Tan”.

Eu – Perguntei, inocentemente, se estávamos com algum novo funcionário tailandês ou chinês – O Tchon Tan.

Ela – Não, Priscila. O cliente agradeceu o atendimento do Jonathan mesmo.

Ahhhhhh, taaaaaaá!

Explicado.  ;)

 

Você não, que é mulher… maio 27, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 9:55 pm

Hoje eu escutei isso de um cliente, dizendo que preferia ser atendido por um homem, pois eu estava sendo detalhista e fazendo muitas perguntas.   Já faz um tempo que tenho notado certo “pré-conceito” por parte de alguns clientes.

Para mim, esses comentários vieram, em grande maioria, de homens africanos.  E aí pode morar o meu “pré-conceito”. Até então adormecido por nunca ter me confrontado com esse tipo de situação.

No meu trabalho eu converso com pessoas de diferentes países e culturas, com backgrounds totalmente diferentes do meu. E lidar com isso é sempre um desafio. Não há como generalizar grosseria e falta de educação, pois estes não são atributos de uma específica cultura ou classe social. Mas há como notar o seu efeito destrutivo num ambiente.

Ao começar o dia, você sorri e é correspondido com alguma grosseria. No meio do dia, sorri novamente e alguém grita com você. Ao final do dia, o sorriso já não acontece naturalmente.  Simplesmente não acontece. Eu quase nunca consigo esconder meus sentimentos – estão todos lá, estampados na minha cara. Tenho certeza que se conseguisse disfarçá-los, teria tido muitas promoções no trabalho. Mas não consigo.

Apesar de parecer que tudo está perdido, o inverso também é verdadeiro e igualmente poderoso – basta conversar ou atender alguém bacana, que a energia já se renova e tudo pode parecer mais leve novamente. Isso faz a gente pensar nas nossas próprias atitudes, né?!

hahaha isso está parecendo post de auto-ajuda! Mas foi só um momento-desabafo depois de uma semana cheia!

Have a nice weekend, folks ;)

 

Deixa rolar… maio 18, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Vida urbana — Priscila Valdes @ 9:44 pm

Eu sempre quis ser da turma do “deixa rolar”. Quem me conhece, sabe que eu sou da turma dos “desesperados e ansiosos”.

Esse mês meu trabalho está punk, o pessoal de férias, sem gente o suficiente, cobranças a mil e novas responsabilidades. Claro, pirei!

Eu sei que tenho hoje motivos para estar feliz e triste. Sim, eu moro em Londres! Sim, é a Terra da Rainha! Sim, as coisas funcionam! Sim, temos metrô em todos os bairros hehehe

Mas ando me sentindo solitária e, por conta disso, focando no copo meio vazio. Pode ser por conta da maledita TPM, pode ser por conta da absurda solidão, e ainda pode ser por conta da minha ansiedade (quase patológica).

Só sei que hoje acordei com esse pensamento – Hoje vou ter um ótimo dia!

Acordei mais cedo, me enfeitei inteira e fui trabalhar!

E confesso que foi um dia bom. Como deve ser – um dia de cada vez.

Afinal, a responsabilidade de ser feliz é única e exclusivamente minha, neam?! Não vou viver pra sempre, não vou ser enterrada com o meu rico patrimônio (que hoje cabe inteiro numa mala de 20 kilos…)

Tem um provérbio, acho que vietnamita, que li quando estava no colegial (hohohoho uns 15 anos atrás), que diz:

“Se a sorte está com você, para quê a pressaSe a sorte está contra você, para quê a pressa?”

Como um mantra, hoje segui cantando…E deu certo! ;)

This week, no stress ;)

 

Correr é a nova Yoga maio 15, 2011

Filed under: Diversão,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 10:16 am

Hoje eu acordei e liguei a TV num ato bem domingo preguiçoso. Estava passando uma corrida dessas de ruas, tipo maratona. Daí eu fiquei pensando – puxa, hoje todo mundo corre.

Isso me lembrou quando todo mundo fazia Yoga, há uns 10 anos.  Eu, é claro, fazia Yoga. Minhas colegas de trabalho, faziam Yoga, as pessoas descoladas na Revista Caras faziam Yoga.

Depois, para mim, veio a corrida. E eu, é claro, treinava. Participei de um desafio da Revista Boa Forma para correr a São Silvestre. Participava de treinos pesados duas ou três vezes por semana no Ibirapuera ás 5h da matina. Para uma jornalista que trabalhava numa editora, conciliar treinos e coberturas de eventos era o maior desafio. Alguns quilos mais magra e com um joelho totalmente danificado, parei de correr. Voltei para Yoga, mas não participei do “Todo mundo faz Pilates”, a variação cool da Yoga.

É claro que são atividades totalmente diferentes e com públicos distintos, mas o ponto é o “todo mundo faz” ou o “todo mundo tem”.

Hoje, todo mundo tem um blog, um Facebook, um twitter, um skype e/ou MSN. Mesmo que não se tenha absolutamente nada a dizer ou mostrar. Mas todo mundo tem.

E eu tenho, é claro! Apesar de ter cada dia menos a dizer, cada dia menos a mostrar. Acho que isso é o peso da idade. Com o tempo, a gente prefere mais ouvir a falar.

 

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.