Betsy e seus balões coloridos

Aventuras e histórinhas em São Paulo (e agora em Londres também!!)

Até logo, 14 leitores! julho 25, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Diversão,Gatos,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 7:57 pm

Depois de muito pensar e repensar, eis que decidi acabar com o Betsy!

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh…. rs

O blog nasceu em 2007 logo quando eu, Luciana e Flávia mudamos para a Vila Mariana, para um apê maior, bacana e que prometia festas intermináveis, churrascos à beira da piscina e conversas regadas a muito vinho e sofá verde. Foram bons anos. Todos retratados aqui no blog.

Vocês acompanharam as observações de Betsy a nossa vida desregrada, até que passei a ser a narradora das histórias. Dividi com vocês alegrias, tristezas, mudanças e conquistas.

A gata Betsy morreu há mais de 1 ano e confesso que com a morte dela eu me senti um pouco estranha em dar continuidade ao blog. Mas tentei.

Agora passo por reformulações intensas. E não sei bem o quê escrever mais. Na verdade, talvez surja outro blog, com outras histórias, outros personagens, outras vivências. Quem sabe….

Eu me despeço do Betsy e dos meus 14 leitores com um abraço bemmmmm apertado, uma certa tristezinha e a certeza de que coisas melhores e mais divertidas estão chegando.

Então, até logo!

 

Quase lá… julho 16, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Londres,Vida urbana — Priscila Valdes @ 8:34 pm

Ai gente, andei sumida né?! Como boa canceriana, entrei numa deprê e voltei pra minha concha… Mas eu tô quase lá… Quase para uma revolução!

E apesar de me achar muito moderninha e rock n roll, a trilha sonora dos meus extremos sempre foi uma boa e velha MPB…

Gal… Lá vamos nós 🙂

Respeito muito minhas lágrimas
Mas ainda mais minha risada
Inscrevo, assim, minhas palavras
Na voz de uma mulher sagrada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona de divinas tetas
Derrama o leite bom na minha cara
E o leite mau na cara dos caretas

Segue a “movida Madrileña”
Também te mata Barcelona
Napoli, Pino, Pi, Paus, Punks
Picassos movem-se por Londres
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca de divinas tetas
La leche buena toda en mi garganta
La mala leche para los “puretas”

Quero que pinte um amor Bethânia
Stevie Wonder, andaluz
Mas o que tive em Tel Aviv
Perto do mar, longe da cruz
Mas em composição cubista
Meu mundo Thelonius Monk`s blues
Mas em composição cubista
Meu mundo Thelonius Monk`s…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona das divinas tetas
Teu bom só para o oco, minha falta
E o resto inunde as almas dos caretas

Sou tímido e espalhafatoso
Torre traçada por Gaudi
São Paulo é como o mundo todo
No mundo, um grande amor perdi
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas, estamos aí
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas estamos aí…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca das divinas tetas
Quero teu leite todo em minha alma
E o resto inunde a alma dos caretas

Mas eu também sei ser careta
De perto, ninguém é normal
Às vezes, segue em linha reta
A vida, que é “meu bem, meu mal”
No mais, as “ramblas” do planeta
“Orchta de chufa, si us plau”
No mais, as “ramblas” do planeta
“Orchta de chufa, si us…
Ê, ê, ê, ê, ê,
Deusa de assombrosas tetas
Gotas de leite bom na minha cara
Chuva do mesmo bom sobre os caretas…

Eu sei… É do Caetano, mas eu AMO  a Gal com essa música!

E é sim… Um sinal: cansei…  😉

 

 

Deixa rolar… maio 18, 2011

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Vida urbana — Priscila Valdes @ 9:44 pm

Eu sempre quis ser da turma do “deixa rolar”. Quem me conhece, sabe que eu sou da turma dos “desesperados e ansiosos”.

Esse mês meu trabalho está punk, o pessoal de férias, sem gente o suficiente, cobranças a mil e novas responsabilidades. Claro, pirei!

Eu sei que tenho hoje motivos para estar feliz e triste. Sim, eu moro em Londres! Sim, é a Terra da Rainha! Sim, as coisas funcionam! Sim, temos metrô em todos os bairros hehehe

Mas ando me sentindo solitária e, por conta disso, focando no copo meio vazio. Pode ser por conta da maledita TPM, pode ser por conta da absurda solidão, e ainda pode ser por conta da minha ansiedade (quase patológica).

Só sei que hoje acordei com esse pensamento – Hoje vou ter um ótimo dia!

Acordei mais cedo, me enfeitei inteira e fui trabalhar!

E confesso que foi um dia bom. Como deve ser – um dia de cada vez.

Afinal, a responsabilidade de ser feliz é única e exclusivamente minha, neam?! Não vou viver pra sempre, não vou ser enterrada com o meu rico patrimônio (que hoje cabe inteiro numa mala de 20 kilos…)

Tem um provérbio, acho que vietnamita, que li quando estava no colegial (hohohoho uns 15 anos atrás), que diz:

“Se a sorte está com você, para quê a pressaSe a sorte está contra você, para quê a pressa?”

Como um mantra, hoje segui cantando…E deu certo! 😉

This week, no stress 😉

 

Festa estranha… abril 12, 2011

Filed under: Casa e comida,Diversão,Londres — Priscila Valdes @ 7:24 pm

Gente como a gente!

Abril tem sido o meu mês das bruxas. Parece que não só o meu, mas vários acidentes, fatalidades, brutalidades  vêm acontecendo este mês. Triste. 😦

O meu aluguel aumentou,  o meu quarto foi arrombado, meu cartão do banco e internet banking foram bloqueados e ainda anunciaram mudanças no meu trabalho. Isso tudo nas duas primeiras semanas do mês. MEDO do resto.

Mas como a vida não é só feita de coisas ruins, final de semana passado eu fui num open house na casa da chefa. Confesso que não estava confortável com o convite, mas resolvi encarar uma festa lituana.  Com comidas lituanas e, com pessoas lituanas.  Quando eu expliquei que a minha chefa era lituana, a minha prima logo perguntou – Mas onde fica a Lituânia?

Rapidamente eu expliquei que ficava perto da Letônia, ora bolas!  (num pensamento instintivo, pois sempre fui muito ruim em geografia).

Com a ajuda do meu amigo Wikipédia, eu descobri que o país faz divisa com a Polônia.  Tem cerca de 4 milhões de habitantes e faz frio, muito frio. Por conta disso, eles são todos bem branquinhos, com exceção dos que estavam na festa de sábado.

Eles estavam todos vermelhinhos. Todos. Pensei que talvez fosse o vinho, mas não… Depois fiquei sabendo que era resultado do bronzeamento artificial, afinal, o verão está chegando. E todos querem ficar bronzeados 😀

É um povo bonito. Todas as moças vestiam roupas de festa, maquiagem e saltos altos, mas muito, muito altos. Eu era a única brasileira da festa, no meio de lituanos, eslovacos, poloneses e alguns ingleses.

A comida era um caso à parte, queria ter tirado fotos, mas achei meio indelicado. Tinham vários tipos de Ham, eles gostam MUITO de ham. Fora isso, umas saladas parecidas com a nossa maionese, algumas com feijão branco e bacon, e outras com brócolis. Gostei muito de todas.

Experimentei o pão lituano, que é bem parecido com o pão polonês ( segundo eles, pois eu não tenho ideia quais são as semelhanças ou diferenças), mas eu adorei! MUITO, muito bom mesmo! Gostinho e cor de pão integral,  mas com aquela sustança, sabe?! Nota 10.

Depois da sexta taça de vinho, já estava toda falante no meu inglês tupiniquim, ouvindo histórias incríveis sobre o inverno rigoroso nesses países, sobre os passeios em sleigh à noite, e sobre as aventuras de morar num país com um clima completamente diferente do nosso.

Se eles conseguem encontrar alegria num inverno -30 C, bora parar de reclamar da vida, neam?! 😉

 

Erros e acertos (gastronômicos) 1 abril 2, 2011

Filed under: Casa e comida,Diversão,Vida urbana — Priscila Valdes @ 8:42 pm

Eu sou da opinião de que quem está na chuva é para se molhar. Sendo assim, se eu estou morando ou visitando um lugar, gosto de experimentar coisas diferenças.

Com exceção das carnes, pois tenho várias restrições nas já conhecidas e populares, eu experimento sim. E quase sempre eu me dou mal. rs

A primeira vez foi um chocolate. Eu não entendi muito bem o conteúdo, só sei que ele tinha recheio cor de rosa, tipo o nosso Sensação. O Rafael queria comprar um tradicional, já conhecido, eu o convenci a comprar o outro que era o dobro do preço, mas era com recheio de morango, poxa!

Caí do cavalo – aquela coisa rosa estava mais para flores do que morango, tinha um gosto de perfume estranho e nós detestamos.

Descrição do produto: “The Turkish Delight bar is positioned as a mystical, exotic treat that lets you escape from the everyday. Cadbury chocolate coated turkish delight.”

Dá medo não dá?!

Por outro lado, hoje eu comi um chocolate coreano, que a minha querida amiga Jieun trouxe para mim. Na embalagem tinha um cacto desenhado. Claro, fiquei com medo. Deixei para comer em casa, assim, se a decepção fosse grande, eu poderia jogar fora e tomar muita água. Fiquei com a pulga atrás da orelha com aquele chocolate de cacto. Tem uma descrição simpática aqui!

Adorei! Achei mais leve que o tradicional rs.

Então, fica a dica: nem tudo que  tem recheio cor de rosa é bom  e nem tudo que tem cacto na embalagem é ruim 🙂

Depois eu volto aqui para contar sobre a lentilha verde e  a amarela.  E do suco mais horrível do mundo.

 

Fabiana e o vento… agosto 9, 2010

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida — Priscila Valdes @ 6:42 am

Textinho novo nos 7 Cronistas Crônicos, vai lá!

 

Coração aberto e mente vazia agosto 3, 2010

Filed under: Carinhos e cafuné,Casa e comida,Vida urbana — Priscila Valdes @ 9:33 pm

Eu confesso que ando meio perdida profissionalmente. Quando sai da faculdade eu era tão apaixonada pelo Terceiro Setor, amava tanto, tinha tanta certeza do que eu queria fazer, que quando voltei para São Paulo logo consegui emprego numa das maiores agências humanitárias do mundo. Dizem que quando você sabe o que quer e esse desejo é de coração, todo o universo conspira ao seu favor.

Quando sai dessa ONG, tomei a decisão de não voltar mais para o Terceiro Setor, mesmo sabendo que sou super idealista e tenho um Q comunista-socialista-revolucionário. Passei por vários trabalhos, conheci pessoas incríveis e aos poucos fui alimentando o sonho de passar um tempo no exterior. Foi que foi que eu vim, e depois de três meses já estava trabalhando na área de marketing de uma empresa aqui em Londres.

Tudo muito bom, tudo muito bem, mas eu decidi voltar para o Brasil. Voltar porque sinto falta das pessoas que eu amo, porque talvez não tenha tanta energia para construir relações mais profundas, que requerem tempo e dedicação. Dessa forma, quando acontece algo ruim por aqui, eu penso – tudo bem, eu vou voltar mesmo.

Mas agora me dei conta que eu vou voltar com uma mão na frente e outra atrás, sem emprego, sem casa, sem dinheiro e pior: sem IDEIA DO QUE QUERO FAZER. Confesso, bateu um descontrol.

Eu AMO essas histórias de pessoas que encontram a sua verdadeira paixão, largam a advocacia para trabalhar com turismo, o jornalismo para trabalhar com gastronomia, a arquitetura para trabalhar com artes plásticas. Eu seria assim, se não fosse por um pequeno detalhe: eu não tenho nenhum talento para essas coisas mais artísticas. Eu não cozinho bem, nao costuro, nao danço, não faço mais yoga, não tenho habilidades manuais… NADA!

Estou pensando em lançar um lema para o meu segundo semestre 2010 – Coração aberto e mente vazia… Para ver se bate uma luz, peloamor. Eu tenho mais seis meses em Londres. Nesse tempo vou manter meu coração arreganhado para ver se entra inspiração e daí, quem sabe, alguma boa oportunidade aparece… Tomara!